INTERNATIONAL CONFERENCE MEMORY / ARCHIVE / DOCUMENT – ARTS AND ARCHITECTURE – 8-9 november

November 8, 2018

Conferência Internacional Memória / Arquivo / Documento – Artes e Arquitectura

Datas e Local:
8-9 Novembro 2018 – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal

Keynote Speakers:

Andreas Huyssen (Columbia University)

Andrew Benjamin (Kingston University)

Ernst Van Alphen (Leiden University)

Catherine David (Centre Georges Pompidou)

Memória, arquivo e documento são conceitos cada vez mais relevantes e prevalecentes nas sociedades modernas. Por intermédio de ressurgimentos, re-encenações e reconfigurações, a memória vai permeando o quotidiano e esbatendo coordenadas de tempo e de espaço a um nível sem precedentes. Como lidam as artes e a arquitetura com isto? E qual o seu papel nesse processo complexo e paradoxal que por vezes parece relacionar o presente mais com o passado do que com o futuro?
Enquanto poderoso mecanismo que molda identidades e ancora o sentimento de pertença, e considerando as suas intersecções com o factual e o ficcional, a memória é, há muito, tema controverso entre académicos. E a partir do momento em que o arquivo e o documento se constituíram também como importantes objectos de estudo, diferentes campos disciplinares têm contribuído para a investigação com o propósito de se analisarem fenómenos que vão do campo político às práticas arquitetónicas e artísticas. Muito tem sido discutido nas últimas décadas, desde a lógica burocrática dos arquivos do século XIX ao debate sobre as complexas relações entre história/memória e memórias e identidades individuais/coletivas (Halbwachs, Ricoeur, Foucault, Nora, Assmann); das questões relacionadas com perspetivas pós-coloniais ou de género (Demos, Pollock) às problemáticas do trauma e da pós-memória (Hirsch).
As artes e a arquitetura foram tendo cada vez mais consciência da importância destes assuntos, em particular desde a teorização relacionada com o designado “archival turn” (Foster, Derrida, Sekulla, entre outros). Hoje em dia, memória e arquivo não só estão na base de uma considerável quantidade de produções culturais como são também colocados em questão, sendo entendidos quer como ferramentas indispensáveis quer como instrumentos políticos a serem tidos em conta. A mudança na nossa percepção de espaço e tempo e os “passados presentes” que as sociedades contemporâneas parecem nutrir (Huyssen), bem como o foco documental nas práticas visuais contemporâneas (Bal), a afirmação do arquivo (Alphen), a necessária atenção à política de relação (A. Benjamin) e o modo como a partilha de histórias pode mudar a História (Kearney) constituem alguns dos aspetos centrais que ampliam o alcance e relevância atual deste debate.
Privilegiando a arquitetura e as práticas artísticas, esta conferência internacional visa discutir investigações atualmente em curso em vários campos académicos, acerca dos usos culturais relacionados com a problemática da memória, do arquivo e do documento. Nesse sentido, favorecendo diferentes abordagens geográficas e metodológicas com o objetivo de se avaliarem dimensões transversais do tema, aceitam-se propostas de apresentações individuais ou painéis de sessão.
Os tópicos incluem, mas não estão limitados a:

  1. práticas artísticas e discursos visuais;
  2. arquitetura, património e programas de arte pública;
  3. materialidade da memória, seus discursos e usos políticos;
  4. narrativas/representações de perspetivas individuais e/ou coletivas;
  5. o papel da ficção na historiografia contemporânea, nos estudos culturais e de memória, e nas práticas artísticas;
  6. memória, arquivo e dimensões políticas da identidade em práticas artísticas de âmbitos pós-colonial e de género;
  7. o arquivo como local de disputa e “empowerment”;
  8. diferentes usos de documentos na construção de arquivos e da memória.

Línguas:
Inglês e português.
Instruções para submissão:
Propostas individuais (apresentação de 20 minutos) devem incluir as seguintes informações:

  1. Título da comunicação e língua (português, inglês);
  2. Resumo (máx. 300 palavras);
  3. Nome, afiliação, endereço e email do proponente;
  4. Biografia abreviada do proponente.

Serão aceites painéis para sessões. Sublinha-se, no entanto, que os organizadores considerarão cada proposta de comunicação pelo seu mérito individual. Os proponentes de um painel devem ter em consideração os seguintes aspetos:

  1. Cada seção deve ter 3 a 4 participantes (máx.) que abordem um tema comum, de modo a obter-se um conjunto coerente de comunicações;
  2. O responsável pelo painel pode ser um dos oradores e tem a incumbência de apresentar as comunicações e moderar a discussão;
  3. Uma proposta de painel deve incluir o título do painel, bem como resumos e informações sobre cada um dos oradores (ver propostas individuais);

Prazos e processo de selecção:
As propostas para apresentações individuais e para sessões temáticas devem ser submetidas até 30 de junho de 2018, através do email: icmadoc.lisbon2018@gmail.com
A selecção de propostas estará a cargo do comité científico da conferência e será feita por double-blind review. A confirmação de aceitação será enviada aos proponentes até 30 de julho de 2018.
Uma seleção de trabalhos da conferência será posteriormente editada em livro, a publicar em 2019.

Organizadores:
– Museu Calouste Gulbenkian – Fundação Calouste Gulbenkian
– CFUL – Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa/PRAXIS
– CIC.Digital – Centro de Investigação em Informação, Comunicação e Cultura Digital / Universidade Nova de Lisboa
– IHA – Instituto de História da Arte / Universidade Nova de Lisboa

 

Mais informação aqui