Colóquio Internacional – As viagens da Saudade – 29-31 Outubro

October 29, 2018

Colóquio Internacional “As Viagens da Saudade” – Lisboa, Porto, Amarante, Santiago de Compostela
https://viagensdasaudade.wordpress.com/

Programa

29 de Outubro
Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Sala 5.1

9:30 – Abertura

10h00 – 11:h30
Samuel DIMAS: «A Ontologia da Saudade»
Sofia CARVALHO: «A Saudade, figura onde o Mistério esfriou em Medalha: silêncio e solidão em Para a Luz de Teixeira de Pascoaes»
Nuno RIBEIRO: «Fernando Pessoa e a poética do saudosismo»

11h30 – 13h30
Cinzia RUSSO: «Da dor da ausência ao desejo do re-encontro»
David Fernández NAVAS: «Nostalgia y amor en Emilio Prados»
Manuel Cândido PIMENTEL: «A concepção da saudade em Ramón Piñeiro»
António Braz TEIXEIRA: A reflexão sobre a Saudade na “Geração Nós”

15h00 – 17h00
Cláudia SOUZA: «Fernando Pessoa e Novalis: romantismo, infinito e saudade»
Cem KÖMÜRCÜ: «Sehnsucht in Romanticism»
Dirk HENNRICH: «Da Alma do Mundo à Saudade de Gaia. Revisitar Novalis para pensar o Antropoceno»
Paolo VANINI: «A Melancholic Exile: Emil Cioran and the Feeling of Saudade»

17h00 – 18h30
António Cândido FRANCO: «Saudade e Tao»
Fabrízio BOSCAGLIA: «Saudade e sawdā’: a melancolia árabe na cultura galaico-portuguesa e brasileira»
Anne TWITTY: «La nostalgia del ave del paraíso»

18h30 – 20h00
Filipe LUIG: «Does Artificial Intelligence trigger humanism in humans? Longing for the Human in Contemporary Science Fiction Cinema»
Jorge Croce RIVERA: «Saudades do Humano na Época Enigmática»
Paulo BORGES: «Suydade, experiência do Sy abyssal»

30 de Outubro
Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Porto (Manhã)
Abertura: 09h30

09h45– 11h00
Paulo BORGES: «Saudade, desejo sem objecto e eros divino. Uma reflexão a partir de Nick Cave»
Hugo MONTEIRO: «Música, movimento e Saudade. Variações (est)éticas em torno de O Bailado»
Flávio REIS: «As saudades de Clarimundo: o lugar maravilhoso na narrativa cavaleiresca de João de Barros»
Lirandina GOMES: «Por uma cartografia afetiva das paisagens»
Moderação: Mathia Ricardi

11h00 – 12h30
Rodrigo ARAUJO: «Silêncio e saudade em Teixeira de Pascoaes»
Irandina AFONSO: «Itinerários da saudade: algumas aproximações»
Vânia DUARTE: «O feminino e a saudade»
Fernanda BERNANRDO: «Saudade’s, tonalidades, sobressaltos e despertares»
Moderação: Paulo Borges

Amarante (Tarde)

15h00 – 16h00
Rita OLIVEIRA: «Cecília Meireles e a viagem à Índia»
Maria Luísa MALATO: «Sons da Saudade»
Isabel Ponce de LEÃO: «Saudade: o passado que justifica o presente»
Moderação: Elsa Cerqueira

16h15 – 17h30
Egídia SOTO: «Nuno Júdice, um caminho de saudade?»
Manuela MARTINS: «O monge de Cister, de Alexandre Herculano: Reflexões à margem»
Celeste NATÁRIO: «Livro de Memórias: substância ilusória em que o ser se continua»
Moderação: Anabela Magalhães

31 de Outubro
Universidade de Santiago – Faculdade de Filosofia

09h45 – 10h45
Rocio CAROLO: «A saudade: un viaxe a través da lírica galaico-portuguesa»
Verónica Garcia MORENO: «La nostalgia de Al-Andalus en el discurso nacionalista andaluz: la obra de Blas Infante»
Elias Torres FEIJÓ: «A mais poderosa ponte identitária: Portugal e a saudade no nacionalismo galego»
Moderação: Luís Soto

10h45 – 12h00
Teresa LOUSA: «As Viagens da Saudade entre Portugal e Brasil através da Pintura»
Maria del Carmen Piñas SAURA: «María Zambrano: Poietización de la sombra: saudade, herida de luz con sonidos negros»
Renato EPIFÂNIO: «Entre Ser, Sentido e Saudade»
Celeste NATÁRIO: «Vicente Risco e Teixeira de Pascoaes: atlantismo e saudade»
Moderação: Carlos Queiroga

12h00 – 13h20
Antoni Gonzalo CARBÓ: «El duelo, ese ángel nocturno. Pérdida y tristeza melancólica: mística y cine»
Francisco Martínez ALBARRACÍN: «Intuición, poesía y filosofía: Sobre orfismo, mística y romanticismo»
Luís LÓIA: «O des-envolver como condição de acesso à saudosa indiferenciação»
Paulo BORGES: «Saudade, a via crepuscular»
Moderação: Celeste Natário

13h20-14h40
Miguel Angel QUINTANAR: «A saudade contemplada desde o pensamento de Gilles Deleuze»
Fabrizio BOSCAGLIA: «Saudade e Sufismo»
Julia Alonzo DIÉGUEZ: «Entremos más adentro en la espessura»
Luís Garcia SOTO: «A saudade, a negra sombra e o fantasma da liberdade»
Moderação: Elias Torres Feijó

O tema e sentimento da saudade têm sido considerados característicos da cultura galaico-portuguesa e lusófona, popular e erudita, desde os cancioneiros medievais até à actualidade. Surgindo implícito e ainda inominado nas cantigas de amor e amigo, seria posteriormente nelas nomeado e permaneceria marcante, enquanto expressão do amor ferido pela ausência, “nas melhores obras da literatura portuguesa” (Carolina Michaëlis de Vasconcelos). Progressivamente assumido como objecto de reflexão, converte-se num tema recorrente de algumas vertentes do pensamento filosófico desenvolvido em Portugal e na Galiza, desde o séc. XV até ao presente. Desde a paradigmática polémica entre Teixeira de Pascoaes e António Sérgio, permanece aberto o debate entre os defensores da singularidade cultural da saudade e os da sua universalidade. Se António Sérgio estabeleceu um elenco de sentimentos que seriam equivalentes noutros povos, línguas e culturas, e se a lista foi aumentada por outros autores, o próprio Teixeira de Pascoaes, geralmente considerado como o defensor unilateral da singularidade nacional e cultural da saudade, não deixa de reconhecer que o sentimento saudoso, além de ter uma génese antiga e não nacional, surge noutras culturas, paralelamente à sua presença no povo e nos autores portugueses:

“Acabamos de estudar as formas que a Saudade adquiriu desde Virgílio a frei Agostinho da Cruz; desde o seu nascimento em Roma até à sua divinização na Arrábida.
Seria curioso observar também as suas viagens lá por fora, pela França de Rousseau, Victor Hugo e Renan; pela Inglaterra de Shelley, Keats, Wordsworth, etc.; pela Alemanha de Novalis e dos Filósofos panteístas… A Saudade de Camões errou no mundo como o D. Quixote de Cervantes. Compare-se o lirismo camoniano e o de Frei Agostinho da Cruz com a tristeza cósmica dos grandes poetas ingleses, com o misticismo profundo de Novalis, com o panteísmo sombrio de Hugo e o celtismo sentimental de Renan…” (Os Poetas Lusíadas).

São estas “viagens” da saudade, ou as suas relações com tonalidades afectivas afins, que o presente Colóquio visa investigar, constatando existir desde há um século – a respeito de um tema tão presente na cultura galaico-portuguesa e lusófona – uma questão em aberto que não tem sido objecto de um estudo metódico e sistemático. Trata-se assim de abrir o horizonte da investigação e reflexão para além do domínio insular em que tende a ser restrita, convocando investigadores de vários países que nesta e noutras iniciativas ajudem a compreender a experiência saudosa à luz da sua natural relação com experiências como as do eros e da anamnese gregos, do desiderium latino, da memória e desejo de Deus nas religiões abraâmicas, da nostalgia e da melancolia, da soledad castelhana, da anyoransa catalã, do longing inglês, da Sehnsucht alemã e da dor romena, entre outras, a par das suas múltiplas afinidades extra-europeias. Trata-se também de abrir o pensamento da saudade para além da esfera antropocêntrica e ocidental, considerando a possibilidade de se encontrar nos viventes e no mundo não-humanos indicadores de uma subjectividade ou dinamismo saudosos. Daqui resultará uma compreensão mais rica e profunda da complexidade semântica e vivencial da própria saudade tal como se manifesta na cultura galaico-portuguesa e lusófona.

Comissão Científica

Pablo Beneito
Paulo Borges
Elias Torres Feijó
Celeste Natário
Luís G. Soto

Comissão Organizadora

Rodrigo Araújo
Fabrizio Boscaglia
Dirk-Michael Hennrich
Luís Lóia
Nuno Ribeiro
Claudia Souza

Organização:

Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa
(Seminário Permanente de Pensamento e Cultura Lusófonos)
Instituto de Filosofia da Universidade do Porto
Universidade de Santiago de Compostela

Apoio:

Grupo de Investigação SAUDADE
Círculo do Entre-Ser